O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), confirmou que um grupo de deputados viajará amanhã a Honduras para acompanhar a crise no país, agravada depois que o presidente deposto, Manuel Zelaya, abrigado na Embaixada do Brasil, passou a mobilizar a oposição contra o governo de facto.

Pela manhã, Temer havia questionado a conveniência da viagem, mas, após reunir-se com o grupo, concordou. Em Tegucigalpa, a comissão de deputados brasileiros se reunirá com o presidente do Congresso de Honduras, José Alfredo Saavedra, e parlamentares locais, além de representantes da comunidade brasileira. O grupo de deputados brasileiros visitará a sede da embaixada brasileira. O prédio está cercado por tropas do governo de facto, presidido por Roberto Micheletti.

“Nossa ligação será interparlamentar”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP), um dos integrantes da Comissão Externa da Câmara. “Essa é um missão em defesa dos direitos humanos e da inviolabilidade da embaixada brasileira”, afirmou.

Além de Valente, integram o grupo outros sete deputados: Raul Jungmann (PPS-PE), Paulo Pimenta (PT-RS), Marcondes Gadelha (PSB-PB), Janete Rocha Pietá (PT-SP), Claudio Cajado (DEM-BA), Bruno Araújo (PSDB-PE), Maurício Rands (PT-PE). A volta dos deputados está prevista para a próxima sexta-feira.