Uma planejada aparição diante de um tribunal do suspeito pela morte de um governador liberal do Paquistão causou um clima caótico hoje quando partidários do acusado evitaram uma tentativa de se mudar o local da sessão, disseram testemunhas. Malik Mumtaz Hussain Qadri, que trabalhava como segurança do governador Salmaan Taseer e confessou ter matado o político, foi acusado formalmente nesta quinta-feira. Ele compareceu ao tribunal antiterror da cidade de Rawalpindi.

Quando uma crescente multidão de advogados islâmicos e estudantes de escolas religiosas muçulmanas (madrassas) foi até o prédio onde fica o tribunal para apoiar Qadri, autoridades o levaram rapidamente para um tribunal mais protegido em Islamabad. A multidão em Rawalpindi, porém, fez um cordão em protesto, evitando que o juiz seguisse para Islamabad, disseram advogados.

“Nós dissemos ao juiz que legalmente ele não pode ir a Islamabad para ouvir o acusado, e ele ouviu nosso pedido”, disse o advogado Malik Waheed Anjum a repórteres. “O juiz ordenou à polícia de Islamabad que apresentasse o acusado em seu tribunal de Rawalpindi.”

Mais de sete horas após os jornalistas se reunirem no tribunal de Rawalpindi para a aguardada audiência, Qadri finalmente chegou e foi recebido com pétalas de rosa pelos seus partidários pelo segundo dia seguido. Segundo eles, o governador do Punjab merecia morrer, por ser contrário à lei que pune com a pena de morte os condenados por blasfêmia contra o Islã. As informações são da Dow Jones.