Pela segunda noite seguida, imigrantes tentaram cruzar a linha do Eurotúnel, no Canal da Mancha, que liga a França à Inglaterra. Em meio ao caos, um sudanês morreu atropelado por um caminhão, aprofundando tensões que cercam as milhares de pessoas que estão acampadas em Calais, cidade portuária no norte da França. Outras 15 pessoas ficaram feridas. Desde o início de junho, nove pessoas já morreram.

O rapaz morto tinha entre 25 e 30 anos e foi atropelado por um caminhão que tinha saído de um ferry que cruzava o canal. Esses ferrys possuem a estrutura aberta, o que facilita a entrada de pessoas.

Cerca de 1.500 pessoas tentaram atravessar nesta quarta-feira a linha do Eurotúnel. As autoridades francesas e a empresa afirmaram que ao menos 2 mil pessoas tentaram cruzar a linha nas duas últimas noites. Desde janeiro, o Eurotúnel disse que impediu mais de 37 mil tentativas de imigrantes que queriam chegar à Grã-Bretanha.

O Eurotúnel pediu a ajuda dos governos da França e da Inglaterra. “A travessia se tornou um fenômeno que está além do nosso alcance”, disse o porta-voz da empresa, John Keefe. “Nós somos apenas uma pequena empresa operando em um cantinho da Europa”, acrescentou.

Keefe disse que os ataques sobre as cercas são organizados. “Está muito claro que gangues criminosas ou traficantes de seres humanos estão por trás disto”.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, descreveu a crise, durante a sua visita a Cingapura, como “muito preocupante”, mas que não dava para “colocar a culpa em alguém”. O governo britânico concordou em dar mais 7 milhões de libras para financiar medidas para melhorar a segurança em Calais. Fonte: Associated Press.