Os servidores públicos civis da África do Sul suspenderam hoje uma greve iniciada há 20 dias, anunciou o líder sindical Thobile Ntola. Ele advertiu, no entanto, que a suspensão da greve não significa que os servidores tenham aceitado a mais recente oferta do governo.

“Os trabalhadores decidiram suspender a greve, mas isto não quer dizer que a proposta do Estado foi aceita”, declarou Ntola, presidente de um sindicato local de professores. A declaração foi feita durante conversa com jornalistas convocada em nome de todas as organizações sindicais envolvidas na greve.

“Esperamos que os trabalhadores voltem a trabalhar o mais rápido possível, uma vez que a greve está imediatamente suspensa”, disse Ntola. Ainda de acordo com ele, os servidores terão alguns dias para decidir se aceitam ou não a contrapartida do governo.

Cerca de 1,3 milhão de servidores públicos sul-africanos entraram em greve em 18 de agosto para exigir uma elevação salarial de 8,6% e uma verba de auxílio-moradia de 1.000 rands, quantia equivalente a cerca de R$ 240.

O governo ofereceu aos grevistas reajuste salarial de 7,5% e auxílio-moradia de 800 rands. Os servidores inicialmente rejeitaram a proposta, mas os sindicatos estão promovendo reuniões desde a semana passada com seus integrantes para explicar detalhes, que incluem outros benefícios, como a melhora do plano de saúde do funcionalismo público. As informações são da Dow Jones.