O pré-candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, o senador Barack Obama, disse nesta terça-feira (29) que os comentários sobre raça feitos por seu ex-pastor, o reverendo Jeremiah Wright, são "destrutivos e provocam a dissensão". Obama tentou novamente se distanciar dos comentários de Wright, que provocaram uma fúria que já ameaça a sua campanha. Até agora, Obama é mais cotado que sua rival, Hillary Clinton, para ser o candidato democrata à presidência.

Obama disse nesta terça-feira (29) estar "indignado" e "ultrajado" com os novos comentários de Wright, feitos na segunda-feira (28), quando o pastor voltou a chamar o governo norte-americano de "imperialista" e reforçou sua sugestão de que o vírus HIV, que provoca a aids, foi criado em laboratórios pelo próprio governo dos EUA para exterminar as minorias. "Baseado no que tem acontecido aos africanos neste país, eu acredito que nosso governo é capaz de qualquer coisa," disse Wright na segunda-feira (28).

Em março, Wright tornou-se conhecido nos EUA depois que seus sermões foram divulgados pela internet e noticiários de TV e chegaram a ser vendidos em DVD. Neles, o pastor afirma que os Estados Unidos são um país racista e que os negros, em vez da tradicional frase "Deus abençoe a América", deveriam dizer "Deus amaldiçoe a América". A polêmica atingiu em cheio a campanha de Obama, que freqüentou por 20 anos a igreja do reverendo e teve seu casamento e o batizado de suas filhas realizados por Wright.