O senador e pré-candidato à presidência dos Estados Unidos pelo Partido Democrata Bernie Sanders passou nesta quarta-feira, 2, por um procedimento cirúrgico em razão de uma artéria entupida no coração e cancelou suas atividades de campanha. Ele foi operado e os médicos inseriram dois stents (pequenos tubos) em seus vasos sanguíneos.

Sanders, de 78 anos, relatou ter sentido dores no peito durante um compromisso, na terça-feira, e passou por uma avaliação médica, de acordo com um comunicado de sua equipe de campanha. A cirurgia foi realizada com sucesso.

Na terça-feira, o gerente da campanha, Faiz Shakir, conversou por telefone com aliados, mas não mencionou nenhuma preocupação com a saúde do candidato. Shakir salientou os ótimos resultados de arrecadação do terceiro trimestre do ano – Sanders recebeu US$ 25 milhões no terceiro trimestre e se tornou o candidato democrata que mais arrecadou no período.

A cirurgia e o afastamento de Sanders da campanha tendem a favorecer a senadora Elizabeth Warren. Duas pesquisas recentes já mostram a senadora à frente de Joe Biden, envolvido em acusações de corrupção feitas pelo presidente Donald Trump. De acordo com o instituto YouGov, Warren teria 26% das intenções de voto. Biden vem atrás, com 22%, seguido de Sanders, com 14%. Na outra sondagem, da Universidade Monmouth, Warren aparece com 28%, Biden tem 25% e Sanders, 15%.

Segundo vários analistas, Warren e Sanders falam para um público semelhante, jovens e democratas progressistas, o que aumenta a probabilidade de somarem boa parte de seus votos em uma disputa direta com Biden, um candidato com mais apelo entre centristas moderados. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.