Os cidadãos russos estão mostrando pouco entusiasmo ao registrar seus votos neste domingo nas eleições parlamentares nacionais, que segundo as pesquisas de opinião podem reduzir a força do partido liderado pelo primeiro-ministro Vladimir Putin.

Apesar de Putin e seu partido Rússia Unida dominarem a política do país por mais de uma década, parece estar crescendo o descontentamento popular com o estilo do premiê, a corrupção generalizada e a distância entre a população média e os mais ricos do país.

O Rússia Unida detém uma maioria de dois terços na Duma. Mas uma pesquisa no mês passado realizada pela agência independente Levada Center indicou que o partido pode conseguir apenas 53% dos votos nesta eleição, privando-o do número de assentos necessários para mudar a Constituição.

Putin quer que o Rússia Unida vá bem na eleição parlamentar para ajudar a abrir caminho para seu retorno à Presidência em ume eleição daqui a três meses. Ele vem alertando que um Parlamento com uma série de partidos levará à instabilidade política.

Apenas sete partidos receberam permissão para apresentar candidatos para o Parlamento neste ano, e a maioria dos grupos de oposição foi proibida de se registrar e impedida de fazer campanha.

Em Vladivostok, eleitores reclamaram à polícia que o Rússia Unida estava oferecendo alimentos de graça em troca de promessas de votos. Em São Petersburgo, um fotógrafo da Associated Press viu um emblema do Rússia Unida afixado às cortinas da cabine de votação.

O Golos, único grupo independente de monitoramento de eleições, disse que na cidade de Samara observadores e membros da comissão eleitoral de partidos de oposição foram impedidos de verificar se as urnas estavam adequadamente lacradas.

Mikhail Kasyanov, ex-primeiro-ministro quando Putin era presidente, afirmou que ele e outros ativistas de oposição que votaram neste domingo não têm a ilusão de que seus votos serão contados de maneira justa.

“Está absolutamente claro que não haverá uma contagem real”, disse ele. “As autoridades criaram uma imitação de uma instituição muito importante cujo nome é eleição livre, que não é livre e nem é eleição.”

Existem 110 milhões de eleitores na Rússia e o comparecimento em muitas regiões parecia ser baixa. Nas regiões de Sakhalin e Kamchatka, o comparecimento era de apenas 45% a 48% faltando duas horas para as urnas serem fechadas.

Mas em outras regiões a situação parecia melhor. Um repórter da AP viu um local de votação em Moscou lotado, incluindo um alto número de eleitores jovens em relação a outras eleições. As informações são da Associated Press.