O governante da Líbia, Muamar Kadafi, afirmou que seu “bom amigo” Nicolas Sarkozy, presidente da França, “ficou louco”. A declaração foi feita em uma entrevista para uma emissora alemã que deve ser transmitida ainda hoje.

“Ele é meu amigo, mas acho que ele ficou louco. Ele está sofrendo de uma doença psicológica”, disse Kadafi à rede RTL, segundo trechos da entrevista publicados na Alemanha. “Isso é o que dizem as pessoas que estão próximas dele. Seus auxiliares dizem que ele está sofrendo de uma doença psicológica”. A França recentemente pediu que sejam realizados ataques aéreos contra as forças de Kadafi e atuou para reconhecer a oposição como a única representante legítima do povo líbio.

Kadafi descreveu os distúrbios no país como um “evento menor” que logo se encerrará. Ele estimou os mortos em “apenas 150 ou 200… e metade deles eram das forças de segurança”. “Eles foram mortos quando as delegacias foram invadidas. Mostrem as milhares de pessoas que teriam supostamente morrido”, afirmou Kadafi, segundo a emissora alemã. “Não houve manifestações na Líbia. A Al-Qaeda não faz protestos, eles nunca os fazem. Os grupos armados de Osama bin Laden e mercenários no leste serão destruídos e tudo voltará ao normal. Na maior parte do país tudo está normal, tudo está calmo”.

Kadafi também disse que não confia mais no Ocidente, exceto na Alemanha. “Nós não acreditamos mais nos embaixadores deles. Eles conspiraram contra nós. Nós não confiamos em suas empresas”, afirmou. “Nós vamos investir na Rússia, Índia e China agora. É lá que nosso dinheiro será investido. Contratos de petróleo irão agora para companhias russas, chinesas e indianas”, garantiu, rechaçando fazer negócios com as potências ocidentais. As informações são da Dow Jones.