Mitt Romney lançou formalmente sua campanha para 2012 hoje, entrando na disputa interna do Partido Republicano para a escolha de quem representará a legenda nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Romney é considerado o nome mais forte do partido para enfrentar o presidente Barack Obama, que deverá tentar a reeleição pelo Partido Democrata, mas sua candidatura também é vista como bastante vulnerável.

Romney fez o anúncio em New Hampshire, um Estado crucial para sua estratégia. Em 2008, quando tentou ser candidato, ele ficou em segundo lugar nas primárias republicanas em New Hampshire e desde então tem investido pesado no Estado. Embora Romney, ex-governador de Massachusetts, lidere entre os republicanos que buscam um nome capaz de enfrentar Obama, ele é considerado moderado demais por muitos conservadores do partido e eles possuem peso político, a nível nacional, na nomeação do candidato.

A corrida republicana para 2012 ainda está indefinida. A ex-governadora do Alasca, Sarah Palin, ainda não disse se concorrerá ou não. Palin, que em 2008 foi candidata a vice-presidente na chapa de John McCain, ganhou as manchetes nesta semana quando realizou uma turnê de ônibus por parte dos Estados Unidos. Durante sua viagem, Palin parou em Nova York, onde na terça-feira jantou com o magnata Donald Trump, outro republicano. Trump também cogitou se lançar pré-candidato a presidente pelo Partido Republicano, mas desistiu.

O governador do Texas, Rick Perry, também é considerado um potencial candidato. A congressista Michele Bachmann também cogita se candidatar, possivelmente representando o Tea Party, ala ultraconservadora dos republicanos.

Mas Romney construiu nos últimos anos uma equipe política mais experiente e levantou uma soma considerável de dinheiro para sua campanha. Ele tentou apelar para a ala mais direitista do partido, ao rejeitar o aborto, o controle de armas e o casamento dos homossexuais.

Em trechos da sua mensagem, liberados antes do anúncio formal da pré-candidatura, Romney coloca em destaque os problemas econômicos e a frustração do eleitorado americano: a falta de empregos, as persistentes falências das pequenas empresas e os gastos desenfreados do governo. Romney atacou Obama e disse que o presidente fracassou em cumprir suas promessas da campanha de 2008. “Obama falhou com a América”, disse.

Foi uma mensagem esculpida para os conservadores na Carolina do Sul e em Iowa, bem como para os independentes, que formam o maior bloco político republicano em New Hampshire. Os três Estados terão as primeiras primárias do Partido Republicano.

Entre os obstáculos que Romney terá que superar está a desconfiança dos cristãos evangélicos, ala forte no Partido Republicano. O ex-governador de Massachusetts é mórmon. As informações são da Associated Press.