A polícia britânica recebeu hoje uma ameaça de bomba em Londres vinda de dissidentes republicanos irlandeses, informaram autoridades policiais. A ameaça ocorre na véspera de uma visita histórica da rainha Elizabeth II à República da Irlanda e uma semana antes de uma visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

O alerta elevou a tensão, após um aumento na violência na Irlanda do Norte. Um comunicado de um importante grupo paramilitar afirmou que a monarquia britânica era procurada por “crimes de guerra”. “Um alerta de ameaça de bomba foi recebido relativo ao centro de Londres hoje (segunda-feira). A ameaça não é específica em relação à localização ou hora”, explicou um porta-voz da Scotland Yard. “Nós acreditamos que a ameaça esteja ligada ao terrorismo republicano dissidente.”

A polícia fechou uma importante rodovia que levava ao Palácio de Buckingham durante várias horas nesta segunda-feira. Uma busca, porém, não encontrou nada suspeito, apesar de ter havido uma explosão controlada de uma pasta na área. Agentes chegaram a inspecionar um cano de esgoto durante a investigação, testemunhou um jornalista da France Presse.

As advertências são tradicionalmente feitas por grupos republicanos irlandeses. Houve uma recente piora na violência dos republicanos na Irlanda do Norte, com um policial morto por uma bomba em abril. Porém a Scotland Yard afirmou que não ocorreu uma alteração no nível de alerta oficial. Ainda assim, ele é considerado “substancial, significando que um ataque é uma forte possibilidade”, informou a polícia britânica em comunicado. No caso do terrorismo internacional, o nível de alerta oficial é maior, sendo considerado “severo”.

A visita de quatro dias da rainha à Irlanda é cercada por uma forte operação de segurança, em meio a ameaças de dissidentes republicanos contrários à presença britânica em solo irlandês. A polícia dos dois lados da fronteira prendeu vários suspeitos dissidentes republicanos, pois há um temor de que esses grupos aproveitem a visibilidade com a presença da rainha para cometer atos violentos.

O grupo paramilitar “IRA Verdadeiro”, uma dissidência do Exército Republicano Irlandês (IRA), afirmou que a rainha é procurada por “crimes de guerra” e “não é bem-vinda em solo irlandês”. Também ameaçou garantir que ela “entenda essa mensagem”.

Será a primeira visita à Irlanda de um monarca britânico desde que a república se tornou independente, em 1922. O último monarca britânico a visitar o país foi George V, há um século. A segurança no Reino Unido e na Irlanda já estava reforçada, antes da visita na próxima semana de Obama ao país. Em seguida, Obama irá ao Reino Unido. As informações são da Dow Jones.