O Congresso da Argentina aprovou uma lei, que estabelece a criação de um registro nacional com o DNA de estupradores.

A Câmara dos Deputados aprovou a lei com 211 votos a favor e um contra na quarta-feira. A legislação já havia sido aprovada pelo Senado.

O registro irá armazenar o DNA de pessoas condenadas por crimes sexuais e as amostras deverão ser coletadas na cena do crime. Quando os criminosos não forem capturados, o DNA será retirado do corpo das vítimas.

O acesso ao banco de dados é restrito a promotores e juízes.

A lei é baseada na Lei de Megan, que exige que as autoridades deem informações ao público sobre criminosos sexuais condenados que vivem em suas comunidades. A Lei de Megan recebeu este nome depois que Megan Kanka, de sete anos, foi assassinada nos EUA em 1994 por um agressor sexual. Fonte: Associated Press.