Os milhares de bengalis e pessoas da etnia rohingya que chegaram ilegalmente em barcos à Malásia, no último domingo, não têm para onde ir, depois de terem sido abandonados por traficantes de seres humanos. A Malásia afastou os barcos e a Tailândia manteve um navio na praia com centenas de pessoas com fome.

“O que você espera que façamos?”, disse o vice-primeiro-ministro do Interior da Malásia, Wan Junaidi. “Temos sido muito agradáveis com as pessoas que invadiram nossa fronteira. Temos tratado de forma humana, mas eles não podem inundar nossas costas”, acrescentou. “Temos de enviar a mensagem certa de que eles não são bem-vindos aqui”.

No domingo, cerca de 1.000 refugiados desembarcaram na margens de Langkawi, uma ilha resort no norte da Malásia e perto da Tailândia. Outros 600 chegaram clandestinamente à Indonésia. O primeiro-ministro tailandês, o general Prayuth Chan-ocha, também deixou claro que o seu

governo não tem recursos para acolher refugiados. “Se nós levarmos todos, em seguida, quem quiser vir virá livremente”, disse. “Eu me pergunto se a Tailândia será capaz de cuidar de todos eles. De onde virá o dinheiro? Ninguém os quer”, afirmou.

“Esta é uma grave crise humanitária e exige uma resposta imediata”, disse Matthew Smith, diretor-executivo do grupo sem fins lucrativos de direitos humanos Fortify Direitos. “Vidas estão em jogo”, lamentou.

Apesar dos apelos dos grupos humanitários e da ONU, nenhum governo da região parece disposto a assumir os refugiados, temendo que, ao toparem ajudar, haverá um fluxo cada vez maior de imigrantes. Fonte: Associated Press.