O processo de reforço dos primeiros 90 metros do poço que será usado para resgatar os 33 mineiros presos no norte do Chile foi concluído na madrugada de hoje, informou o jornal local El Mercurio. Esse reforço terminou às 3h (hora local), seis horas antes do previsto inicialmente pelos técnicos.

O jornal El Mercurio explicou que os especialistas decidiram revestir 90 metros do túnel, e não 96 metros, como inicialmente previsto. Foram instalados 15 tubos.

Além disso, os helicópteros que participarão do resgate treinaram durante a noite, nas proximidades da mina San José, que fica perto da cidade de Copiapó. Os voos ocorreram para simular um eventual transporte dos mineiros durante a noite, segundo o diário. Pouco após deixarem o túnel, os mineiros devem ser levados para um hospital.

O jornal informa ainda que os mineiros têm demonstrado nervosismo e medo, às vésperas do resgate, que pode começar na madrugada de amanhã. O mineiro Darío Segovia contou a seu irmão, Alberto, que está “muito contente, mas muito nervoso”. “Ele não quer ser o primeiro, porque tem medo. Ninguém quer ser o primeiro. Imagine-se subir 700 metros”, contou o irmão.

Os mineiros estão presos desde 5 de agosto, quando um desmoronamento os isolou a quase 700 metros de profundidade. O ministro da Saúde chileno, Jaime Mañalich, disse que podem ocorrer alguns problemas durante o trajeto até a subida da cápsula com cada um dos mineiros até a superfície. Pode haver ataques de pânico, náuseas, vômitos e problemas com a mudança de temperatura, dos 30º Celsius no interior da mina para 1º ou 2º Celsius na superfície. “Esse momento é de muita intensidade”, notou o ministro.