A Coreia do Norte assinou hoje um novo acordo de cooperação técnica e econômica com a China, informaram meios de comunicação estatais. A China é o único aliado importante da Coreia do Norte e seu principal fornecedor de energia e comida. Os dois lados assinaram uma série de acordos de cooperação econômica, tecnológica e em outros setores. Há informações que indicam que a China estuda oferecer a Pyongyang mais ajuda econômica se o país concordar em retornar às negociações sobre seu desarmamento nuclear com o sexteto (Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, China, França e Alemanha).

O acordo foi fechado em Pyongyang entre o ministro do Comércio norte-coreano, Ri Ryong Nam, e o embaixador chinês em Pyongyang, Liu Hongcai, informou a Agência Central de Notícias da Coreia (KCNA, na sigla em inglês), sem divulgar mais detalhes. O acordo foi assinado em meio a tensões por causa do afundamento de um navio de guerra sul-coreano perto da disputada fronteira entre as duas Coreias e que matou 46 marinheiros. Pyongyang nega qualquer participação no naufrágio.

O novo acordo foi fechado depois de uma delegação, liderada pelo ministro assistente de Relações Exteriores Hu Zhengyue ter visitado Pyongyang. Hoje, Hu reuniu-se com Kim Yong Il, diretor do departamento internacional do comitê central do partido comunista, informou a KCNA. Forças dos Estados Unidos e da Coreia do Sul encerraram ontem quatro dias de exercícios navais e aéreos conjuntos – os primeiros de uma série prevista – cujo objetivo é advertir Pyongyang sobre a realização de ataques contra Seul. As informações são da Dow Jones.