Dezenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas de Hamburgo neste sábado para protestar pacificamente contra a cúpula dos líderes do G-20, um dia após violentos confrontos com a polícia que terminaram com lojas saqueadas e carros incendiados.

Marchando em uma rota próxima àquela onde os confrontos mais violentes aconteceram na véspera, os manifestantes cantaram, dançaram e tocaram música ao mesmo tempo em que os líderes mundiais encerravam o encontro de dois dias na cidade portuária alemã.

A multidão eclética tinha desde famílias empurrando carrinhos de bebê, grupos curdos, socialistas escoceses e anarquistas com grandes bandeiras e gritos anti-capitalistas.

Apesar da violência da sexta-feira, muitos policiais que acompanhavam a multidão tiraram seus capacetes e pareceram mais relaxados no trabalho de hoje. Segundo os organizadores, cerca de 78 mil pessoas tomaram as ruas. As autoridades estimaram 50 mil pessoas.

O forte contraste com a violência da véspera era marcantes. Mais cedo, a premiê alemã, Angela Merkel, expressou choque e ira em relação à “brutalidade desinibida” da multidão no dia anterior.

“Não existe a menor justificativa para os saques, os incêndios e os ataques brutais a policiais”, afirmou, acrescentando que as forças de seguranças fizeram “um excelente trabalho”.

Por causa dos tumultos, a polícia deteve 143 pessoas. Outros 122 ativistas foram temporariamente detidos. Cerca de 213 policiais tiveram ferimentos desde que os protestos começaram, na noite de quinta-feira. A polícia disse não ter informações sobre o número de civis feridos. Fonte: Associated Press.