Os professores secundaristas uruguaios iniciaram nesta segunda-feira (21) paralisações regionais, que se estenderão até 1º de agosto nos estabelecimentos de todo o país em defesa de mais verbas, “autonomia” y “co-governo”.

A paralisação afeta, por 24 horas, sete liceus de Montevidéu, três escolas comunitárias da capital e em 17 localidades do departamento (província) de Canelones, sul do país, vizinho a Montevidéu.

O dirigente da Federação Nacional de Professores Secundaristas (Fenapes), José Olivera, informou que no último dia da mobilização, 1º de agosto, haverá paralisações em todos os liceus de Montevidéu.

Os professores pedem mais verbas para educação no orçamento, discutido no Senado, bem como mais “autonomia” e “co-governo” na Lei de Educação analisada pelo Parlamento.

Os sindicatos professores haviam realizado paralisações parciais em fevereiro e no início de março, antes do início das aulas, a favor de aumentos salariais e para denunciar as condições de vários centros educacionais do país.