O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, rebateu nesta segunda-feira as críticas feitas pela União Europeia (UE) a respeito da prisão de jornalistas do último domingo. “Guardem suas opiniões para vocês”, ele afirmou em um discurso no noroeste do país.

Mais de duas dezenas de pessoas foram presas, incluindo um editor-chefe, jornalistas e produtores de TV. Eles são suspeitos de “usar de intimidação e ameaças” para tomar o poder estatal. Alguns dos detidos foram liberados depois de um interrogatório nesta segunda-feira.

A UE criticou as ações da polícia turca, que entraram na sede de um jornal e de uma TV estatal afiliada ao clérigo Fethullah Gulen, um antigo aliado de Erdogan que passou a criticá-lo duramente. O presidente acusa os seguidores de Gulen dentro da polícia e do Judiciário de estarem por trás das suspeitas de corrupção que perseguiram seu governo no ano passado.

“Esta não é uma questão de liberdade de imprensa”, afirmou Erdogan. “Aqueles que ameaçam a segurança nacional devem receber o que merecem, não importa se são membros ou não da imprensa”. Erdogan ainda disse não se importar se o caso pode ter consequências sobre a intenção da Turquia de fazer parte da União Europeia.

Jornais pró-Erdogan afirmaram que os detidos foram interrogados sobre seu possível envolvimento na fabricação de evidências que levaram a polícia a desbaratar um grupo islâmico rival de Gulen em 2009, sob a acusação de ligação com a Al-Qaeda. Os aliados do clérigo negam a acusação. Fonte: Associated Press.