O presidente chinês, Hu Jintao, chegou neste domingo (18) à região do país atingida por um forte terremoto na quarta-feira, e prometeu ajuda rápida aos milhares de desabrigados. O presidente teve de encurtar uma viagem à América do Sul devido ao desastre, que deixou mais de 1.700 mortos e 12 mil feridos na província de Qinghai, no região noroeste do país.

Hu visitou famílias desabrigadas que estão vivendo em barracas e acompanhou o trabalho de equipes de resgate. Também conversou com feridos em uma unidade médica móvel e garantiu que o Partido Comunista e o governo estão fazendo o possível para ajudar as vítimas do terremoto.

A região atingida pelo terremoto é habitada quase exclusivamente por tibetanos, que têm um histórico de tensões com os chineses han, etnia majoritária na China.

Tanto Hu quanto o primeiro-ministro Wen Jiabao têm cultivado uma imagem de compaixão. Mas os tibetanos reclamam da falta de liberdade religiosa sob o regime secular de Pequim, e da retórica virulenta do governo contra seu líder espiritual, o Dalai Lama.

Eles também alegam que as massas de chineses han que têm chegado à região são uma ameaça e acabam custando muitos empregos.

O governo insiste, no entanto, que os tibetanos não vivem mais sob um regime feudal e que têm liberdade para adorar quem quiserem. Diz também que os bilhões de dólares em assistência governamental ajudaram a melhorar bastante o padrão de vida em Qinghai e regiões vizinhas.