O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, telefonou hoje para o presidente da Síria, Bashar Assad, e pediu que ele realize reformas políticas e interrompa a violenta repressão aos manifestantes. Sob o governo do partido de Erdogan, o Justiça e Desenvolvimento (AKP, na sigla em turco) as relações da Turquia com a Síria melhoraram nos últimos anos.

Erdogan pediu a Bashad que mostre “moderação”, enquanto o embaixador turco em Damasco se reuniu com o chanceler sírio Adel Safar, manifestando “profunda preocupação” com as perdas de vidas no país, onde a repressão já deixou mais de 350 manifestantes mortos desde meados de março, segundo grupos de defesa dos direitos humanos. Até agora, a Turquia não havia se manifestado sobre a repressão política no país vizinho.

A Turquia compartilha uma longa fronteira terrestre de 877 quilômetros com a Síria e teme que a instabilidade em seu vizinho do sul leve a uma onda de refugiados. A fronteira, contudo, é em grande parte minada e militarizada e um aumento no fluxo de refugiados não é esperado.

Antes do AKP chegar ao poder na Turquia em 2002 e passar a desenvolver uma política de aproximação com seus vizinhos árabes, o país tinha uma relação tensa com a Síria, que reivindica a província turca de Hatay. Erdogan ressaltou ao presidente sírio que as reformas precisam “continuar com determinação e sem perda de tempo”. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.