A popularidade do presidente do Uruguai, José Mujica, caiu para 41%, segundo uma pesquisa realizada pela empresa Interconsult, divulgada hoje. A queda é atribuída principalmente à anulação da lei de anistia para os militares e a questões de segurança.

Mujica assumiu o governo em março de 2010 com uma popularidade de 75%, que caiu para 64% em março. A comparação entre o início do mandato e o último levantamento mostra uma redução de 34 pontos porcentuais em pouco mais de um ano, “o que é muito”, segundo Juan C. Doyenart, diretor da Interconsult.

A pesquisa foi publicada hoje pelo jornal Ultimas Noticias. O levantamento foi realizado entre os dias 30 de abril e 4 de março, em 800 residências com pessoas maiores de 16 anos. A pesquisa tem margem de erro de 3,3 pontos porcentuais para mais e para menos.

“No decorrer de pouco mais de um ano, a situação interna da Frente Ampla (o partido de Mujica) ficou muito complicada e uma das causas é a anulação da lei de caducidade”, disse Doyenart, citando o possível motivo da queda de popularidade do presidente. A lei anula a anistia concedida aos militares acusados de violação dos direitos humanos durante a ditadura no país (1973-1985).

A decisão final sobre a anulação da lei de caducidade será tomada na quinta-feira na Câmara dos Deputados, onde o governo conta com 50 dos 99 integrantes. Mas um deles, Víctor Semproni, disse que não vai votar, o que pode impedir a aprovação da lei. A expectativa é de que os deputados sigam a decisão do Senado, tomada em 12 de abril, que por 31 votos a 16 anulou a lei da anistia. As informações são da Associated Press.