A tropa de choque da polícia malaia utilizou cassetetes, canhões d’água e bombas de gás lacrimogêneo para dispersar, neste sábado, milhares de pessoas reunidas para uma série de passeatas por Kuala Lumpur em protesto contra uma lei que permitiria a prisão por tempo indeterminado de suspeitos sem que sejam levados a julgamento.

Apesar da ameaça prévia de repressão por parte do governo, os manifestantes começaram a se reunir em pontos diferentes da cidade na manhã de hoje: diante da principal mesquita, em um shopping center e numa estação ferroviária.

Antes mesmo de a manifestação começar, a polícia já havia detido pelo menos 150 pessoas, identificadas por camisetas com slogans de oposição.

De acordo com a polícia, milhares de pessoas participaram das passeatas de hoje, que tinham como destino o palácio nacional. Alguns sites na internet informaram que o número de participantes teria chegado à casa dos 20.000.

A polícia lançou bombas de gás lacrimogêneo e usou canhões d’água logo que as passeatas começaram. Houve choques entre manifestantes e forças de segurança, mas não há informações disponíveis sobre pessoas eventualmente feridas.

Os manifestantes tinham a intenção de entregar uma petição ao rei malaio para denunciar a nova lei.