Catânia (Sicília) – A polícia italiana prendeu nesta terça-feira (4) na Catânia, ao leste da Sicília, no sul da Itália, 70 supostos integrantes da organização mafiosa Cosa Nostra, afiliados ao clã Santapaola.

Na operação denominada "Plutão", a polícia militar encontrou um livro "mestre", onde aparecem extorsões e pagamentos aos afiliados. Além disso, foram apreendidas armas, cocaína e maconha.

Entre os presos está Vincenzo Santapaola, 38 anos, filho mais velho do "chefão" Benedetto — atualmente preso e condenado à prisão perpétua –, acusado de associação com a máfia, extorsão, roubo e tráfico de drogas.

Além de Vincenzo, também estão entre os notificados Angela La Rosa, esposa do "chefão" mafioso Alessandro Strano, também preso; e o "assassino das prisões", Antonino Faro, que assassinou na prisão em 1987 o chefe mafioso Francis Turatello e, segundo a lenda, também teria comido seu fígado.

Também foram detidas Patrizia Scriffignano e Iolanda Di Grazia, esposa e irmã, respectivamente, de Francesco Di Grazia, condenado à prisão perpétua e considerado "homem de honra" da "família" da Catânia, também capturado na operação de hoje.

As prisões de hoje somam-se a outra operação realizada ontem pela polícia da Sicília, na qual morreu o "chefão" mafioso Daniele Emmanuello, considerado um dos 30 foragidos mais perigosos na Itália.

Emmanuello, procurado desde 1996 por tráfico de drogas e uma série de homicídios, recebeu um tiro na nuca enquanto tentava fugir da polícia em uma zona rural de Gela, na Sicília.

"Estamos marcando a presença do Estado na Sicília, que está mudando o clima e erradicando os clãs", declarou o ministro do Interior italiano, Giuliano Amato.

O governador da Sicília, Salvatore Cuffaro, também expressou sua satisfação. "A máfia se combate desmantelando pedaço por pedaço os clãs que operam no território. A operação realizada na Catânia é um novo e duro golpe ao crime organizado", afirmou.

Por sua vez, o prefeito de Roma e líder do Partido Democrático, Walter Veltroni, afirmou que "nunca antes o objetivo de derrotar a máfia foi tão forte em nosso país. Os êxitos do governo e das forças de ordem nessa luta cotidiana, a reação veemente da sociedade civil e dos sicilianos na luta contra o poder criminoso representam sinais que contribuem cada dia para minar o sistema mafioso".