Pesquisadores descobriram duas peças para piano de autoria do músico austríaco Wolfgang Mozart que teriam sido compostas pelo artista durante sua infância. As obras – um movimento de concerto e um fragmento de prelúdio – fazem parte do “Livro de Músicas de Nannerl”, um conhecido manuscrito que contém algumas das primeiras criações de Mozart.

“Temos aqui o primeiro movimento orquestral do jovem Mozart – embora faltem as partes orquestrais – e um elo extremamente importante para a compreensão do desenvolvimento de Mozart como jovem compositor”, afirmou o chefe das pesquisas da Fundação Mozarteum Internacional, Ulrich Leisinger.

Mozart nasceu em 1756, começou a tocar piano com três anos e passou a compor com cinco anos. Ele escreveu mais de 600 peças até a data de sua morte, em 5 de dezembro de 1791.

Segundo Leisinger, o compositor teria concebido as peças quando tinha entre sete e oito anos. Análises confirmaram que a grafia das obras era do pai de Mozart, Leopold. Na época, o músico ainda não tinha conhecimento de notação musical.

As análises também descartaram a possibilidade de as obras terem sido escritas por Leopold. “Há discrepâncias óbvias de virtuosidade técnica e certa falta de experiência em compor”, segundo Leisinger.

Embora o “Livro de Músicas de Nannerl” pertença à fundação Mozarteum há mais de um século, as duas obras que foram atribuídas a Mozart eram consideradas criações anônimas até passarem pelo crivo da equipe de Leisinger.

“Estas duas obras nos impressionaram porque eram muito extravagantes”, afirmou Leisinger, acrescentando que os dois trabalhos possuem uma série de similaridades, mas que o prelúdio – provavelmente escrito após o movimento de concerto – era “muito mais refinado”.

“Pode-se até mesmo ter a impressão de que Leopold disse ao filho ‘veja, você escreveu este movimento maluco para concerto, tente melhorá-lo, deixá-lo um pouco mais conciso’ e, como resultado, tivemos este prelúdio”, acrescentou. As informações são da Associated Press.