A queda de um meteorito sobre os Montes Urais na manhã desta sexta-feira deixou cerca de 1.100 pessoas feridas, provocou pelo menos uma forte explosão e causou pânico entre a população. A maioria dos feridos foi atingida por estilhaços de vidro que se quebrou em razão da onda expansiva provocada pela queda do corpo celeste.

“Às 9h20 (horário local, 1h20 em Brasília), um objeto em alta velocidade foi observado nos céus de Chelyabinsk, deixando um grande rastro atrás de si. No prazo de dois minutos houve dois estrondos”, disse Yuri Burenko, funcionário do setor de emergência, por meio de nota. “A onda de choque quebrou vidros em Chelyabinsk em uma série de cidades da região”, disse ele.

Um meteoro de peso estimado em 10 toneladas ingressou na atmosfera terrestre a uma velocidade hipersônica de 54 mil quilômetros por hora na manhã de hoje, segundo a Academia Russa de Ciências. O objeto estilhaçou-se quando estava a entre 30 km e 50 km da superfície da Terra. A energia liberada foi de “vários quilotons”, segundo a academia.

De acordo com o Ministério de Interior da Rússia, cerca de 1.100 pessoas procuraram cuidados médicos por cortes causados pelos estilhaços de vidro. Não há até o momento relatos de pessoas feridas ou mortas por fragmentos do meteorito. Das cerca de 1.100 pessoas feridas, 48 precisaram ser hospitalizadas, disse Marina Moskvicheva, secretária de saúde de Chelyabinsk.

As vítimas viviam em Chelyabinsk e em localidades próximas. A região situa-se a cerca de 1.500 quilômetros de Moscou. Os sistemas de comunicação móvel ficaram temporariamente fora do ar. Mais de 3 mil imóveis sofreram algum tipo de dano. Escolas foram fechadas e apresentações de teatro canceladas na região após a onda de choque ter quebrado janelas. As temperaturas locais chegam a -18ºC. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.