O oposicionista Partido Colorado obteve 132 das 238 prefeituras em disputa nas eleições locais de ontem no Paraguai. Com isso, analistas destacaram que a sigla “demonstrou um grande poder de recuperação, após sair do poder central em abril de 2008 frente a Fernando Lugo” depois 61 anos de hegemonia colorada, disse Milda Rivarola, analista política paraguaia.

A Justiça Eleitoral anunciou que os resultados finais oficiais serão confirmados apenas em duas semanas. Mas divulgou preliminares, após a contagem rápida de 97% dos resultados. Essas parciais já mostram, na maioria dos casos, quem deve ganhar em cada região.

Em Assunção, maior distrito eleitoral do país, a prefeitura deve ficar com o oposicionista Arnaldo Samaniego, do Partido Colorado, que estava com 45,8% dos votos. O candidato Miguel Carrizosa, da coalizão de partidos de Lugo, obteve 44,2%.

A analista paraguaia acredita que as eleições foram uma “mostra política do que pode ocorrer na disputa presidencial de 2013”. Na opinião dela, o modelo de aliança partidária de Lugo deve se esgotar, pois no país é muito forte a polarização entre colorados e liberais.

Lugo participa da Aliança Patriótica pela Mudança, que reúne sobretudo partidos de esquerda. O principal deles é o Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), que obteve 90 prefeituras. Em 2006, o PLRA havia obtido 68 municipalidades. O presidente da sigla, Blas Llano, disse que nas eleições nacionais de 2013 o PLRA deve liderar uma aliança para disputar a presidência.

Segundo a analista Milda Rivarola, o partido União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), liderado pelo general da reserva Lino Oviedo, “perdeu força como terceira agrupação política e se seguir assim caminhará para a extinção”. Oviedo já foi condenado no Paraguai por uma tentativa de golpe de Estado. As informações são da Associated Press.