Legisladores na Grécia têm neste sábado o terceiro e último dia de debate sobre uma moção de confiança contra o governo sobre um acordo para acabar com uma

disputa de décadas com a vizinha Macedônia em relação ao seu nome.

Espera-se que o governo de coalizão liderado pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras sobreviva à votação, marcada para o fim do dia. Seu governo controla 154 das 300 cadeiras do Parlamento, e o partido nacionalista que é uma coligação parceira disse que vai rejeitar a moção apesar de se opor ao acordo que Tsipras alcançou com o seu homólogo macedônio.

Tsipras e Zoran Zaev, da Macedônia, chegaram a um acordo na terça-feira que mudaria o nome da Macedônia para Macedônia do Norte, enquanto Atenas deixaria seus argumentos para o pais aderir a Otan e a União Europeia.

O acordo visa acabar com uma disputa acirrada que perturbou as relações dos dois países desde que o pequeno país declarou independência da Iugoslávia em 1991. A Grécia argumentou que o nome “Macedônia” implicava em reivindicações territoriais sobre a sua província de mesmo nome, que é o berço do antigo rei guerreiro Alexandre o Grande, e usurpava seu patrimônio e história.

Mas os radicais dos dois países estão furiosos com o acordo, que eles consideram expansivo demais para ambos os lados. Alguns manifestantes se reuniram em frente ao Parlamento para protestar contra o governo, acusando-o de traição.

O acordo está provisoriamente definido para ser assinado pelos dois países no domingo, na região de Prespa Lakes, na fronteira. A ratificação do processo levará vários meses.

A moção de confiança foi trazida pelo chefe do principal partido conservador de oposição Nova Democracia, Kyriakos Mitsotakis, que tinha dito que tinha uma “obrigação perante o povo grego para tentar evitar a hipoteca do futuro do nosso país”. Fonte: Associated Press