enkontra.com
Fechar busca

Mundo

Paraná ainda tem onças-pintadas

  • Por Cintia Végas

Foto: Walter Alves

O felino corre o risco de desaparecer tanto pela destruição de seus habitats naturais quanto pela caça clandestina.

Entre os estados do Sul do Brasil, o Paraná é o que ainda tem as maiores populações de onças-pintadas (Panthera onca), animal considerado ameaçado de extinção. O dado foi divulgado durante o 5.º Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação – realizado no último mês de junho, na cidade de Foz do Iguaçu – pelo analista ambiental do Parque Nacional Mato-grossense do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Peter Crawshaw.

?No Rio Grande do Sul, existem uns três ou quatro exemplares do animal dentro do Parque Estadual do Turvo, no município de Derrubadas, que faz conexão com matas de Misiones, na Argentina. Em Santa Catarina, ele está praticamente extinto. Já no Paraná, existem populações residuais em unidades de conservação que se encontram ao longo da Serra do Mar e principalmente no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu?, revela.

Considerada o maior mamífero carnívoro do Brasil e o maior felino das Américas, a onça-pintada pode ser encontrada tanto na América do Sul quanto nas Américas do Norte e Central. Na maioria dos países, ela está ou extinta (como no Uruguai) ou bastante ameaçada de extinção, como no Brasil e nos Estados Unidos, onde começa a haver um reinício de colonização do animal pelo norte do México.

Os motivos pelos quais o felino corre o risco de desaparecer do planeta são tanto a destruição de seus habitats naturais quanto a caça clandestina (no Pantanal, a caçada à onça ainda é uma tradição cultural) e a ação de fazendeiros, que muitas vezes o matam sem piedade quando o vêem circulando por suas propriedades. ?Os conflitos acontecem em locais onde as onças coexistem com áreas de pecuária. Muitas vezes, elas acabam matando animais domésticos ou de criação para se alimentar e, por isso, sendo eliminadas pelo homem?, comenta Peter.

Apesar de ser muito temida, a onça-pintada geralmente foge quando se encontra diante de um ser humano. Segundo o analista ambiental, os casos de homens atacados por onças são considerados muito raros. Em 99% das situações em que isto já aconteceu, o ataque ocorreu porque as onças estavam sendo caçadas e tentavam se defender. ?Geralmente as onças não confundem os homens com outras espécies. Nossa postura bípede nos diferencia de outros animais e faz com que elas se afastem. Uma possível confusão pode acontecer apenas quando nos encontramos abaixados.?

Pele

As diversas manchas dispersas pela pele são o que mais chama a atenção das pessoas em relação à onça-pintada. No interior das manchas, os animais têm uma pelagem dourada ou amarela. Porém, também existem as onças-pretas, cuja pelagem é bem mais escurecida. ?A onça-preta e a onça-pintada são o mesmo animal. Porém, os indivíduos com pelagem mais escura possuem excesso do pigmento melanina. Isso ocorre devido a uma mutação que vai se propagando ao longo das gerações.?

Outra coisa que atrai são os misticismos ligados ao animal. No passado, algumas tribos de índios, por exemplo, costumavam comer a carne de onças abatidas por acreditar que isso lhes concedia força e coragem. A gordura do felino também era esfregada no corpo dos jovens, como forma de proteção.

Cinco animais vivem em Curitiba

No Zoológico de Curitiba, localizado dentro do Parque Regional do Iguaçu, vivem cinco onças-pintadas. Três delas são adultas e duas são filhotes que nasceram no último dia 24 de março. As pequeninas chamam muito a atenção dos visitantes pela graciosidade e pelas brincadeiras que realizam. Pesam cerca de dez quilos e têm o tamanho de um cachorro de pequeno porte.

?Os animais adultos são dois machos e uma fêmea, sendo um casal trazido em janeiro do ano passado do Amazonas e o terceiro animal trazido de um zoo de Pomerode (SC), também em 2006. Já os filhotes são um macho e uma fêmea, filhos das onças vindas do Amazonas?, explica o veterinário do setor de zoológico da capital, Manoel Lucas Javorouski.

Todas as onças-pintadas ficam na área de exposição do zôo, sendo que a mãe é sempre mantida com seus filhotes, que ainda não desmamaram. Os felinos adultos se alimentam uma vez ao dia. Eles recebem carnes variadas, entre elas carne bovina com osso, coração bovino, presas inteiras (como coelhos e cobaias mortas) e dorso de frango.

?As onças-pintadas não são animais que exigem grandes cuidados especiais dentro do zôo. Elas se adaptam bem à vida em cativeiro e geralmente não têm dificuldades em se reproduzir no local. São muito apreciadas pelos visitantes, principalmente pela imensa beleza da pele?, finaliza Manoel.

Serviço:

Administrado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente, o Zoológico de Curitiba fica no bairro Alto Boqueirão, na Rua João Micheletto, s/n.º. O local exibe mais de mil animais originários de várias partes do mundo. Funciona de terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h. A entrada é gratuita. Mais informações: (41) 3378-2376.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas