Mais de 15 países europeus pediram pela marcação de produtos produzidos em assentamentos israelenses na Cisjordânia.

Diplomatas de 16 países, incluindo alguns dos aliados mais próximos de Israel, assinaram uma carta pedindo para que a chefe de política externa da União Europeia (UE), Federica Mogherini, inicie o processo. Estão entre os signatários países como a Inglaterra, França, Holanda, Itália e a Espanha.

O jornal israelense Haaretz publicou a carta nesta quinta-feira. Um diplomata europeu confirmou a autenticidade do documento. A UE é a principal parceira comercial de Israel.

Israel anexou a Cisjordânia após a Guerra dos Seis Dias, em 1967. O local permanece como território ocupado, de acordo com a Corte de Justiça Internacional, com a população palestina vivendo sob um regime militar e a população israelense sob um regime civil. Os palestinos exigem o território como parte de seu futuro estado. Os assentamentos israelenses na região são considerados ilegais pela comunidade internacional.

Nesta semana, a Suprema Corte de Israel rejeitou uma petição de grupos pró-palestinos para abolir uma lei que proíbe boicotes contra Israel e assentamentos na Cisjordânia. Fonte: Gabriela Korman, com informações da Associated Press