Embaixadores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se reúnem nesta sexta-feira para discutir o fim da campanha aérea de seis meses na Líbia, após a morte do ditador deposto Muamar Kadafi e o avanço das tropas do novo regime, disseram diplomatas.

Um diplomata citou a morte de Kadafi e a queda de Sirta como razões para isso. Segundo a fonte, os países envolvidos, entre eles Reino Unido e França, não querem se apressar no fim da ação, mas sim um final ordenado para a iniciativa. Por isso, a Otan pode decidir manter parte de sua capacidade aérea e naval no país do norte africano nas próximas duas semanas.

Em comunicado mais cedo, o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, comemorou o fim do “regime de medo” de Kadafi e disse que a Otan encerrará sua missão em coordenação com a ONU e o Conselho Nacional de Transição (CNT). As informações são da Dow Jones.