O escritório de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) pediu hoje uma investigação independente sobre as recentes mortes de civis no Sri Lanka. Um porta-voz do escritório, sediado em Genebra, Rupert Colville, disse acreditar que milhares de civis morreram ou ficaram feridos nos confrontos entre o grupo rebelde Exército de Libertação dos Tigres do Tâmil Eelam (LTTE) e o Exército do país.

Colville afirmou haver evidências de que os rebeldes forçam os civis a ficar na zona de conflito e disparam naqueles que tentam fugir. Em março, a chefe de direitos humanos da ONU, Navi Pillay, disse que as ações dos dois lados “poderiam ser crimes de guerra e crimes contra a humanidade”. O porta-voz disse hoje que “nada do que vimos desde então nos levou a mudar de ideia, pelo contrário”.