A Organização Mundial do Comércio (OMC) confirmou que a China perdeu um caso relacionado a terras raras, em um revés para o governo de Pequim após uma disputa marcada por aumentos de preços e amplas preocupações entre empresas de tecnologia e outros usuários desse grupo de metais.

O organismo com sede em Genebra e o escritório comercial dos EUA, que abriram o caso original, dois anos atrás, afirmaram que as políticas chinesas violam as regras de comércio mundial. O anúncio público surge quase cinco meses depois de autoridades chinesas dizerem que haviam perdido o caso e quatro meses depois do prazo final para a OMC informar as partes envolvidas sobre sua decisão.

Segundo a OMC, as tarifas de exportação da China para metais de terras raras, molibdênio e tungstênio são inconsistentes com suas obrigações na organização. A OMC também decidiu contra as cotas de exportação de Pequim para os materiais e os movimentos do governo chinês para restringir esse comércio.

A China diz que as restrições são impostas por razões de proteção ambiental, mas a OMC afirma que essas razões não podem ser usadas para limitar exportações. Terras raras são os metais excepcionalmente úteis para muitas aplicações de alta tecnologia, desde lasers até painéis solares, baterias de carros elétricos e smartphones. Fonte: Dow Jones Newswires.