O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmará que as ações que seu governo está adotando para reativar o crescimento da economia e desbloquear o crédito estão começando a gerar sinais de progresso. Mas ele alertará em discurso na Georgetown University que os “tempos duros” não terminaram.

“Não há dúvida de que os tempos ainda são duros”, disse, acrescentando que as grandes dificuldades não foram superadas, segundo trechos de seu discurso divulgados pela Casa Branca. “Mas, no ponto em que estamos, pela primeira vez, estamos começando a vislumbrar uma esperança.”

Em seu discurso, Obama vai apontar para dispensas de trabalhadores canceladas em escolas e departamentos de polícia, um impulso em empregos “verdes” e um aumento no refinanciamento de hipotecas. “Estas são todas notícias bem-vindas e encorajadoras, mas isto não significa que os tempos duros acabaram”, dirá. “2009 continuará sendo um ano difícil para a economia da América. A severidade desta recessão causará mais perdas de empregos, mais execuções de hipotecas e mais dores antes que (a recessão) termine. O mercado continuará a subir e cair. O crédito ainda não flui tão facilmente quanto deveria. O processo de reestruturação da AIG (a seguradora American International Group) e das montadoras vai envolver dificuldades e algumas vezes escolhas impopulares”.

“Isso tudo significa que há muito mais trabalho a ser feito”, dirá Obama. “E tudo isso significa que se pode continuar esperando um inexorável, inflexível esforço no dia a dia desta administração na luta pela recuperação econômica em todas as frentes”, acrescenta o texto. As informações são da Dow Jones.