Estados Unidos e Rússia consumaram ontem o reinício – ou “reset” – das relações bilaterais. Em encontro na Casa Branca, os presidentes Barack Obama, dos EUA, e Dmitry Medvedev, da Rússia, arremataram uma aliança política que envolve a facilitação de Washington ao ingresso de Moscou à Organização Mundial do Comércio (OMC) ainda neste ano e a injeção de investimentos norte-americanos no ainda inseguro mercado empresarial russo.

O primeiro gesto de aproximação foi feito com a assinatura do novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start), em abril. Uma das contrapartidas de Moscou foi adiantada no mês passado, com o voto favorável às sanções do Conselho de Segurança (CS) das Nações Unidas contra o Irã e a suspensão do contrato de venda de mísseis S-300 ao país persa.

À imprensa, Medvedev confirmou a adoção das sanções contra o Irã, um dos principais sócios parceiros comerciais da Rússia. Mas ponderou que a resolução terá de passar pela inevitável aprovação do Parlamento da Rússia.

O relançamento das relações EUA-Rússia foi uma das primeiras iniciativas do governo Obama – e um dos desastres da agenda de seus antecessores. Em março do ano passado, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, entregou uma caixa com botão vermelho ao chanceler russo, Sergei Lavrov, em alusão ao aparelho que poderia ter detonado uma guerra nuclear. Ao lado do botão, foi escrita a palavra “reset”, que sugeriu o reinício das relações bilaterais.