O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, espera que o convite para “uma cerveja” feito ao sargento James Crowley, de Cambridge, Massachusetts, e ao professor de Harvard Henry Louis Gates Jr. resolva uma questão racial que desviou a atenção de seu plano de reformulação da saúde no país. Obama está tentando neutralizar a questão originada por seu comentário, durante uma coletiva de imprensa, na qual afirmou que a polícia havia “agido estupidamente” ao deter Gates na frente de sua casa, depois de atender a um chamado sobre uma suposta invasão. Gates, que é negro, foi preso por Crowley, um policial branco, e o episódio levantou uma questão sobre disputa racial.

Obama convidou os dois homens para irem até a Casa Branca para “uma cerveja”, que será servida numa mesa de piquenique nas proximidades do Salão Oval, se o tempo permitir. O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse hoje que os três não planejam falar sobre o assunto após encontro, quando os jornalistas se encaminharão ao local para fotografias. “Isto não é uma reportagem após algo ter acontecido”, disse Gibbs, acrescentando que a Casa Branca “não está aqui para mediar nenhuma desculpa”.