A nuvem de cinzas causada pela erupção do vulcão islandês Eyjafjallajokull segue causando problemas no setor aéreo europeu. Menos da metade dos voos comerciais programados na Europa devem sem mantidos hoje, já que muitas das rotas mais movimentadas têm previsão de permanecer fechadas até amanhã. As sextas-feiras são dias movimentados, com pessoas voltando de viagens a negócio e turistas partindo para seu descanso.

A Eurocontrol, agência sediada em Bruxelas que reúne 38 países e coordena os voos no continente, estimou que devem ocorrer hoje 11 mil voos no espaço aéreo europeu. A média diária nessa região é de 28 mil operações diárias. Ontem, milhares não puderam viajar em meio ao temor de que as cinzas pudessem danificar os motores das aeronaves. Segundo a Eurocontrol, ocorreram 20.334 voos na quinta-feira no continente. Apenas cem transatlânticos tiveram como destino a Europa, e não os 300 habituais.

O espaço aéreo foi reaberto com limitações na Escócia, na Irlanda e na Suécia. Porém, controladores começaram a fechar o espaço aéreo na Alemanha, na República Checa e na Bulgária. Em sua mais recente atualização, o Serviço Nacional de Controle de Tráfego Aéreo do Reino Unido informou que os voos seriam restringidos até as 21h (de Brasília) “pelo menos”.

Hoje, estão fechados todos os aeroportos no Reino Unido e na Bélgica. Em vários terminais alemães e franceses há problemas por causa da nuvem de cinzas. Autoridades de Amsterdã indicaram que o espaço aéreo holandês não será reaberto antes de amanhã pela manhã, pelo menos.

Na França, autoridades aeroportuárias ordenaram o fechamento dos terminais do norte do país e de Paris pelo menos até as 15h (de Brasília). No entanto, alguns aviões receberam autorização para pousar e partir dos aeroportos Charles de Gaulle e Orly, os dois principais da capital francesa, em uma janela entre 7 e 11h (de Brasília), informaram as autoridades.

Na Alemanha estão fechados hoje os aeroportos de Hamburgo, Berlin, Bremen, Dusseldorf, Bonn e Hannover. A expectativa é que o aeroporto de Frankfurt seja afetado mais tarde, segundo autoridades locais.

Companhias aéreas informaram sobre cancelamentos na Índia, em voos que seguiriam para Europa e Estados Unidos, e na Finlândia. Muitos voos para a Ásia e as Américas foram cancelados hoje. O Centro de Aviação para Ásia e Pacífico estimou que cerca de 6 milhões de passageiros serão afetados, caso os cancelamentos continuem por mais um dia.

Companhias aéreas

Ashley Steel, chefe do setor de transportes e infraestrutura na KPMG, empresa de auditoria e consultoria, previu que quanto mais tempo os problemas durarem, mais difícil será para as empresas organizarem seus voos. Segundo ela, as maiores perdas das companhias aéreas devem ocorrer nas rotas transatlânticas para passageiros a trabalho.

Ashley notou que as vendas na classe econômica não devem sofrer grande impacto, pois é possível que os clientes remarquem suas passagens. Contudo, a especialista lembra que para uma companhia como a British Airways, cada dia com seu pessoal em terra “deve custar dezenas de milhões de libras”.

Ashley contou que negócios como aluguel de carros, do setor de trens e hotéis devem se beneficiar com o problema. O sistema ferroviário Eurostar informou que tem passagens para amanhã e o domingo, mas os tíquetes para hoje acabaram na tarde de ontem.

Erupção

Especialistas disseram que as erupções na Islândia devem continuar de modo intermitente durante meses, com potencial de causar mais atrasos e cancelamentos de voos. Uma equipe visitou ontem a área do vulcão e concluiu que a erupção ainda é forte, com muitas cinzas sendo lançadas para o céu.

Oli Aranson, meteorologista do escritório nacional de meteorologia da Islândia, afirmou hoje que o mais provável é que a nuvem de cinzas prossiga “pelos próximos dois dias, pelo menos”. Aranson disse que o vento deve continuar rumo às Ilhas Britânicas até o meio da semana que vem. As informações são da Dow Jones.