O nível de radiação subiu ontem a um patamar 20 vezes superior ao normal em Tóquio, a mais populosa região metropolitana do mundo, com 32 milhões de habitantes. Esse grau de radioatividade ainda não causa danos à saúde, mas o pânico causado pelo risco de uma catástrofe nuclear derrubou a bolsa de valores, levou estrangeiros a abandonar em massa a cidade e agravou a angústia dos japoneses, que ainda estão sob o impacto do terremoto seguido de tsunami que devastou o nordeste do país na sexta-feira.

O governo ressaltou que a radiação encontrada na capital está longe de afetar a saúde humana, mas a sucessão de desastres nas duas usinas nucleares localizadas a 240 quilômetros ao norte da cidade provoca incerteza em relação ao desfecho da crise.

O aumento da ansiedade dos habitantes de Tóquio ficou evidente no movimento de estocagem de alimentos e água. Pessoas que estão na capital disseram por telefone à reportagem que há prateleiras vazias nos supermercados. A tensão aumentou ainda mais na tarde de ontem, quando um tremor de seis graus na escala Richter atingiu o leste do país e chacoalhou prédios da capital.