Viena – O austríaco, Gerd Honsik, famoso por negar a existência do holocausto, foi condenado nesta segunda-feira (3) pela corte de apelação de Viena a 18 meses de prisão por apologia ao nazismo.

Honsik, de 67 anos, já havia sido condenado na Áustria em 1992 a 18 meses por ter negado, entre 1986 e 1989, a existência do Holocausto na revista "Halt" e em seu livro "Absolvição para Hitler".

Após o processo, Honsik havia fugido para a Espanha onde permaneceu durante 15 anos até o último dia 4 de outubro quando foi extraditado para Viena.

A corte de apelo confirmou hoje sua condenação a 18 meses, mesmo após o pedido de uma pena mais grave por parte  do procurador.

Um pedido de Honsik para diminuição da pena por razões de idade e de saúde também foi recusado.

Honsik corre o risco de passar por outro processo por ter negado o holocausto por algumas publicações em seu site durante sua estadia na Espanha.