Os sul-coreanos fizeram luto nesta quinta-feira pelas 304 pessoas, na maioria estudantes, que morreram no naufrágio do navio Sewol, na costa sudoeste do país, há exatamente um ano.

O primeiro aniversário do trágico acidente ocorre em meio a um clima de frustração com o governo, que não conseguiu elevar significativamente os padrões de segurança das embarcações e apontar os responsáveis pelo naufrágio, que teria sido causado por negligência e corrupção.

Em homenagem às vítimas, as bandeiras de edifícios públicos foram hasteadas a meio mastro e foi um observado um minuto de silêncio em Ansan, a cidade que perdeu quase uma turma inteira de estudantes que participavam de uma viagem a uma ilha turística no sul da Coreia do Sul.

Ao visitar Ansan, mais cedo, o primeiro-ministro sul-coreano, Lee Wan Koo, foi hostilizado por residentes pela forma como o governo lidou com o caso do naufrágio.

Também hoje, os parlamentares do país aprovaram uma resolução que insta o governo a recuperar o navio. A operação de resgate pode levar um ano e seu custo é estimado em US$ 91 milhões a US$ 137 milhões. Fonte: Associated Press.