Nafissatou Diallo, a camareira que acusa de agressão sexual o ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn, apresentou nesta segunda-feira uma ação civil contra ele, abrindo margem para um processo de indenização.

A ação penal contra o francês está ameaçada desde que promotores acharam contradições nos depoimentos de Diallo. Strauss-Kahn deve se apresentar à corte americana no dia 23. Ele nega as acusações e afirma que qualquer contato sexual com Diallo foi consensual.

Advogados de Strauss-Kahn disseram que a ação civil contra seu cliente carece de mérito e acusaram Nafissatou e seus advogados de estarem “apenas atrás de dinheiro”. As informações são da Associated Press.