O presidente da Bolívia, Evo Morales, chamou o desvio de seu voo de uma provocação para a América Latina e pediu aos países europeus que se “libertassem” do controle dos Estados Unidos. Segundo o autoridades bolivarianas, o trajeto do avião teve de ser desviado, pois alguns países europeus teriam proibido a entrada da aeronave em seus respectivos espaços aéreos em meio a suspeitas de que Edward Snowden estaria a bordo

O avião presidencial chegou na capital da Bolívia na quarta-feira à noite (horário local) após uma parada não planejada em Viena. O governo bolivariano disse que França, Espanha e Portugal se recusaram a deixar que a aeronave entrasse em seus espaços aéreos, forçando-a a pousar na Áustria. O presidente estava voando para casa após uma reunião de cúpula na Rússia.

Autoridades do governo boliviano têm dito repetidamente que acreditam que Washington estava por trás do incidente.

“É uma provocação aberta para o continente, não só para o presidente. Eles usam o agente do imperialismo norte-americano para nos assustar e nos intimidar”, disse Morales a cerca de 100 apoiadores que se reuniram no aeroporto de La Paz para cumprimentá-lo. “Alguns países europeus devem se libertar do imperialismo norte-americano”, disse ele.

Morales deixou a entender na Rússia que ele estava disposto a considerar dar asilo político a Snowden na Bolívia.

O ministro de Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, disse que os presidentes de Argentina, Venezuela, Peru, Equador, Bolívia, Suriname e possivelmente Uruguai devem participar de uma reunião em Cochabamba, na Bolívia, na quinta-feira para discutir o assunto. A Bolívia disse anteriormente que também iria convocar os embaixadores francês e italiano, além do cônsul português, para exigir explicações.

No entanto, ainda não está claro se os países europeus chegaram a recusar a entrada do avião em seus espaços aéreos, nem a razão para tal medida. Autoridades francesas, espanholas e portuguesas disseram que o avião foi autorizado a atravessar seus territórios.

Os EUA se recusaram a comentar sobre o suposto envolvimento em qualquer decisão de fechar o espaço aéreo europeu e afirmou apenas que as “autoridades dos EUA têm mantido contato com uma ampla gama de países ao longo dos últimos 10 dias” sobre o caso Snowden. Fonte: Associated Press.