A agência de classificação de risco Moody’s elevou os ratings em moeda local e estrangeira da Argentina de B3 para B2, com perspectiva estável.

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, a Moody’s comenta que as reformas macroeconômicas estão começando a surtir efeito na economia argentina, enquanto a probabilidade de continuidade dessas mudanças sustentam o retorno recente do crescimento econômico do país. No relatório, a agência comenta que “taxa de câmbio livre, conta de capital aberta, banco central independente e com metas de inflação plurianuais e estatísticas públicas mais credíveis” foram os fatores responsáveis pelas mudanças na economia do país e, consequentemente, na atualização do rating.

“A expectativa da Moody’s é de que as reformas provavelmente continuarão, já que as eleições de meio de mandato fortalecer a posição política do governo de Maurício Macri”, que anunciou reformas nos impostos, na previdência e no código trabalhista. Nesse sentido, a agência aponta que as alterações visam reforçar a recuperação econômica, “promovendo o aumento do investimento privado e continuando o processo de estabilização macroeconômica”. Além disso, a Moody’s lembra que o governo argentino tem como meta a redução gradual do déficit fiscal a partir de 2018.

A perspectiva estável das notas da Argentina equilibra os pontos fortes de crédito do país em sua economia grande e diversificada e nos níveis de renda moderados em relação aos desafios de crédito colocados por déficits fiscais ainda altos e uma dependência do financiamento externo, de acordo com a agência. Para a Moody’s, isso aumenta a vulnerabilidade do país ao risco de eventos externos.