Dois monges tibetanos atearam fogo ao próprio corpo em frente ao Templo de Jokhang, ponto turístico em Lhasa, marcando os primeiros casos recentes de autoimolação para protestar contra o domínio chinês na bem vigiada capital tibetana, noticiou uma emissora dos EUA nesta segunda-feira. De acordo com a agência oficial da China, Xinhua, um dos monges morreu devido às queimaduras.

Houve pelo menos 34 autoimolações desde março do ano passado para chamar a atenção a respeito das restrições da China impostas ao budismo e para pedir o retorno do líder espiritual tibetano, o Dalai Lama, que está exilado. A maioria das autoimolações ocorreu em áreas tibetanas densamente povoadas na China, mas somente uma havia ocorrido no próprio Tibet, e, até então, nenhuma na capital.

Os protestos se tornaram raros no Tibet e em Lhasa particularmente devido à ação ostensiva da polícia que intensificou suas operações desde que os tumultos contra o governo irromperam em Lhasa, em 2008. As autoridades chinesas não confirmaram os protestos. As informações são Associated Press.