O ministro da Saúde de Israel, que comanda um poderoso partido político ultraortodoxo na coalizão do primeiro ministro Benjamin Netanyahu, renunciou neste domingo após a realização de trabalhos de manutenção em ferrovias do país aos sábados, o que é estritamente proibido pela lei judaica.

Yaakov Litzman disse que renunciou devido a violações públicas do Shabat, dia sagrado de descanso na religião judaica, durante o qual judeus se abstêm de atividades de trabalho. Ele considerou que o trabalho de manutenção na ferrovia durante o sábado não era justificado.

Os partidos ultraortodoxos fornecem a Netanyahu apoio e garantem a estabilidade de sua coalizão, em troca de subsídios governamentais para escolas e outras atividades de suas comunidades. Não estava claro como a renúncia do ministro afetará o governo do premiê, uma vez que o partido Litzman, Judaísmo da Torá Unida, permanece na coalizão.

A questão da profanação do Shabat já desencadeou uma crise no passado. Grande parte de Israel faz uma pausa entre o pôr-do-sol da sexta-feira e o pôr-do-sol do sábado.

Fonte: Associated Press