Manifestantes da oposição mataram hoje o ministro do Interior do Quirguistão, Moldomus Kongantiyev, durante uma revolta contra o presidente Kurmanbek Bakiyev. Além disso, o vice-primeiro-ministro foi feito refém e a televisão estatal está ocupada. Dezessete pessoas morreram e 140 ficaram feridas durante protestos pelo país, afirmou Larisa Kachibekova, funcionária do Ministério da Saúde.

A polícia lançou gás lacrimogêneo em suas tentativas de dispersar milhares de manifestante nas proximidades do escritório de Bakiyev, na capital Bishkek. Porém recuou enquanto os manifestantes tentavam derrubar os portões do local com um veículo blindado. Repórteres da France Presse viram pelo menos seis corpos sendo carregados de uma praça perto da sede da presidência, em Bishkek.

Em uma tentativa desesperada de conter os distúrbios, o primeiro-ministro, Daniyar Usenov, declarou estado de emergência. Pouco após o anúncio, partidários da oposição invadiram a sede da televisão quirguiz, paralisando a programação, em mais um sinal de que o governo está perdendo o controle da situação.

Uma fonte no escritório do Ministério do Interior revelou que o ministro Moldomus Kongantiyev foi morto nos distúrbios em Talas, cidade no noroeste do país onde os tumultos começaram. Kongantiyev havia sido atacado por manifestantes em Talas, que também capturaram o vice-primeiro-ministro Akylbek Zhaparov, segundo a agência estatal Kabar.

Autoridades da ex-república soviética anunciaram que três líderes oposicionistas foram presos por “crimes sérios”. Os EUA demonstraram “grande preocupação” com a instabilidade, e autoridades russas pediram calma.

Manifestações

A oposição no país acusa o governo de violar os direitos civis, de autoritarismo e fracasso na política econômica. Entre 3 mil e 5 mil manifestantes viraram e incendiaram carros na capital, enquanto marchavam rumo à sede da oposição e rumo à sede da presidência, segundo testemunhas.

Ontem, mais de mil pessoas romperam barreiras policiais e tomaram controle de escritórios do governo em Talas. Em Naryn, no centro do país, centenas de manifestantes invadiram hoje a sede do governo regional, após o governador se recusar a negociar. Na cidade de Tokmak, nas proximidades da capital, 2 mil manifestantes se reuniram para protestar. Na cidade de Osh, no sul, também há relatos sobre manifestações.

Pobreza

O Quirguistão é um país montanhoso, localizado entre China, Rússia e o sudeste da Ásia. É uma das nações mais pobres da ex-União Soviética, que se dissolveu em 1991. O país enfrenta corrupção e instabilidade crônicas. Os atuais distúrbios lembram os ocorridos em março de 2005, que resultaram na deposição do presidente Askar Akayev.

Os líderes oposicionistas acusam o governo Bakiyev de violações aos direitos básicos, autoritarismo e condução arbitrária de economia. O país tem sofrido com fortes aumentos em bens e serviços essenciais.

O promotor-geral do Quirguistão, Nurlan Tursunkulov, anunciou que a polícia capturou o ex-candidato presidencial e ex-primeiro-ministro Almazbek Atambayev, o ex-presidente do Parlamento Omurbek Tekebayev e o assessor dele Bolot Cherniazov.

O governo de Bakiyev prometeu ontem combater “duramente” os protestos, mas as manifestações ganharam corpo. A Rússia pediu às forças de segurança para que não usem a força contra os manifestantes. Em comunicado divulgado ontem, a embaixada dos EUA em Bishkek demonstrou estar “profundamente preocupada” com a instabilidade. As informações são da Dow Jones.