Horas depois de o Tribunal Nacional da Espanha ordenar a libertação imediata de Inès del Río, a extremista basca presa por cometer 24 assassinatos foi liberada da prisão na tarde desta terça-feira, 22. Cercada por parentes, Inès entrou em um carro e foi embora sem falar com jornalistas.

A ordem para liberar Inès del Rio, integrante do grupo separatista basco ETA, é a primeira de uma série de sentenças que podem ser revogadas na Espanha como resultado da decisão do tribunal europeu, disseram analistas. Inès del Rio havia sido condenada a mais de 3 mil anos de prisão por ataques nos anos 1980.

O Tribunal Europeu constatou que a Espanha calculou de maneira irregular o tempo descontado por bom comportamento na sentença de Inès del Rio. De acordo com o Tribunal, ela deveria ter sido libertada em 2008. A Espanha tinha argumentado que a terrorista deve permanecer na prisão até 2017 por seus cálculos. Mais de 100 outros prisioneiros – muitos deles terroristas do ETA, mas também outros condenados por crimes graves como homicídio e estupro – devem ganhar a liberdade, devido à decisão do Tribunal Europeu contra as práticas de sentença espanhola, disseram analistas judiciais e oficiais do governo.

O caso de Inès del Rio é uma questão delicada para a Espanha, pois traz lembranças dolorosas da violência do ETA, que matou mais de 800 pessoas ao longo de quatro décadas. O ETA, que busca um Estado basco independente, declarou um “cessar definitivo” da atividade armada em 2011.

Ativistas de direitos das vítimas protestaram depois da decisão do Tribunal Europeu na segunda-feira. Os manifestantes usaram cartazes com as fotos e os crimes dos agentes presos do ETA que podem ganhar a liberdade. “Esta assassina estará livre”, dizia o cartaz de Inès del Rio. Fonte: Dow Jones Newswires.