Com os protestos nas ruas de Tbilisi, capital da Geórgia, entrando no sexto dia seguido, líderes da oposição pediram hoje que milhares de manifestantes mantenham a pressão até que o presidente Mikhail Saakashvili renuncie. Cerca de 12 mil manifestantes lotaram hoje as ruas em frente ao Parlamento, bloqueadas para veículos desde o início das manifestações. Milhares de pessoas partiram para um protesto em frente à residência presidencial, enquanto outros marcharam em direção ao principal canal de TV estatal.

O presidente está sendo criticado pelo modo como agiu durante a guerra contra a Rússia em agosto do ano passado. Manifestantes também o acusam de governar favorecendo pessoas próximas e de não fazer o suficiente para ajudar os pobres e criar empregos. Saakashvili, cujo mandato termina em 2013, se recusa a renunciar. Ele se propôs a discutir mudanças constitucionais que lhe dariam mais poder no Parlamento e se propôs a apoiar as eleições diretas para prefeito. Mas líderes da oposição rejeitaram a oferta.

“O governo deveria ter tomado essas medidas antes”, disse à multidão Nino Burdzhanadze, ex-presidente do Parlamento. “Não recuaremos um único passo. Não iremos parar os protestos até que o presidente renuncie.” Até agora, Saakashvili vem permitindo a realização dos protestos sem interferência política, mesmo com os manifestantes bloqueando as ruas principais. Eles armaram barracas em frente à residência presidencial, onde algumas pessoas planejam passar uma segunda noite.