Dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram no centro de Buenos Aires nesta terça-feira em um protesto convocado pelo principal sindicato da Argentina para repudiar o fechamento de fábricas, atribuído à reabertura da economia argentina, que, por siá vez, foi impulsionada pelo governo de Maurício Macri.

A manifestação foi convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), que unifica sindicatos de grande peso no país, além de ter a adesão de partidos opositores e de grupos de esquerda e organizações sociais. “O conselho tomou a decisão de fazer uma paralisação de 24 horas antes do fim do mês se não houver mudanças nas decisões do governo”, disse Héctor Dáer, um dos dirigentes da CGT.

O dirigente não deu uma data precisa para a primeira greve geral contra Macri desde que o presidente assumiu a Casa Rosada em 2015. Fonte: Associated Press.