O ministro das Finanças do México, Ernesto Cordero, disse que o governo tentará limitar as transações de dólar em dinheiro como forma de combater a lavagem de dinheiro e o crime organizado. Os bancos mexicanos recebem mais de US$ 10 bilhões por ano em fluxos suspeitos de dólar em dinheiro, que não podem ser explicados por atividades econômicas legítimas, segundo disse Cordero a jornalistas.

“Nós estamos protegendo nosso sistema bancário de dólares que podem vir de fontes ilegais”, afirmou o ministro. “As medidas são desenvolvidas de modo a não afetar as atividades econômicas formais e legais”. As novas regras vão limitar depósitos bancários em dólar, pagamento de empréstimos e serviços, assim como transações de câmbio em dinheiro entre US$ 1,5 mil e US$ 7 mil por mês, acrescentou Cordero.

Pessoas físicas podem fazer depósitos ou pagamentos de até US$ 4 mil por mês por meio de seus bancos, enquanto essas mesmas transações são limitadas a US$ 1,5 mil no caso de estrangeiros e mexicanos que não são titulares das contas. Os depósitos de dólar em dinheiro e pagamentos de empresas vão ser limitados àqueles que operam em áreas turísticas e na fronteira do norte, e limitados a US$ 7 mil por mês.

Os bancos vão poder continuar a vender dólares para o público, informou Cordero. Nos últimos meses, vários bancos restringiram ou deixaram de fornecer transações de dólares em dinheiro, incluindo a venda de dólares para o público. “Essas medidas vão permitir que alguns serviços bancários que foram unilateralmente fechados sejam reabertos”, comentou Cordero. “Começando na próxima segunda-feira, todas essas operações vão voltar ao normal”.

Tráfico

As medidas são tomadas após a repressão de três anos e meio contra o tráfico de drogas pelo governo do presidente Felipe Calderón. Ele colocou as forças armadas nas ruas em pontos estratégicos para combater o tráfico, mas o governo tem feito pouco para acabar com as operações financeiras dos traficantes, que incluem o embarque de dólares para os EUA em dinheiro.

Cordero disse que o governo também planeja restringir e regular as transações de câmbio locais relacionadas à compra e venda de imóveis e outros bens e serviços no México como parte de um amplo esforço contra a lavagem de dinheiro.

O ministro disse que como parte das medidas anunciadas nesta terça-feira, a indústria bancária concordou em aumentar o número de caixas eletrônicos no México em 12% este ano e fornecer mais terminais de cartões de crédito e de débito para comerciantes que trabalham em áreas turísticas e de fronteira, reduzindo a necessidade de transações em dinheiro.

Hotéis e comerciantes também vão ter de obter autorização para operarem como agentes bancários para fornecerem serviços de câmbio, disse Cordero. Agentes bancários são terceiros contratados por um banco para realizar transações financeiras básicas. As informações são da Dow Jones.