Três ativistas pró-Tibete foram barrados no aeroporto de Hong Kong nesta terça-feira (29), e deportados um dia antes da chegada da tocha olímpica ao território, que dá início à primeira etapa do revezamento após a tortuosa fase internacional, marcada por protestos contra os conflitos dos chineses contra os tibetanos.

A canadense Kate Woznow, da uma organização de estudantes pela libertação do Tibete, foi mandada de volta para Nova Yokr. O inglês Matt Whitticase, líder uma campanha pela liberdade dos tibetanos, teve de pegar um vôo para Londres. Outra canadense, Tsering Lama, também foi impedida de ficar no território governado pelos chineses, mas ainda não tinha destino certo.

A passagem do fogo por Hong Kong é apontado como um dos momentos críticos do revezamento, que terminará no dia 8 de agosto, na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim. As reações no território devem dar aos chineses uma idéia de como será a recepção da tocha até o fim de seu percurso.