Ilustração: Gisele Seguro da Silva

Caro jornalista,

Quando você me pediu para escrever um pequeno texto sobre minha profissão para ser publicado no Dia do Professor, pensei em fazê-lo à moda dos discursos políticos e oficiais, com frases de incentivo, adjetivos elogiosos, substantivos idealizados e muitos verbos de afeto. Algo parecido com: ?Ser professor é padecer no Paraíso. A educação é o esteio moral de um País. Ser educador é missão que enobrece e constrói o cidadão do futuro. Não há nação desenvolvida sem educação de qualidade. O professor educador é o agente de mudanças e alicerce de um País melhor?.

Já lemos e ouvimos essas palavras em diversos lugares, situações, textos e momentos. Concorda?

No entanto, se comparamos essas frases com a realidade e a história da educação no Brasil, podemos verificar o quanto são dizeres contraditórios e enganosos. Por vezes, embora expressem verdades parciais, nunca se realizam, não passam de palavras vazias de reconhecimento, esbarram na cruel e desprezível e mesquinha recompensa do cotidiano escolar e social.

Deixo que essas frases retóricas continuem soando em forma de discurso repetido e repetindo-se como música de fundo, para que lhe conte um pouco de minha biografia como educadora. Creio que, desse modo, você poderá avaliar melhor o que representa a data de 15 de outubro para mim.

Sou de família humilde e estudei sempre em escolas públicas. Para meus familiares, ser professor era profissão altamente considerada, pois lidava com um conhecimento que fora, com dificuldades, acumulado por gerações. Representava ser alguém de destaque na comunidade porque capacitava a dominar esse saber.

Na escola pública, no entanto, ser professor era sobretudo um emprego estável. Alguns de meus professores cumpriam à risca esse mandamento. Davam suas aulas com quem carimba papéis ou atende formalmente o público. Alguns deles chegavam a usar a estabilidade como respaldo para arbitrariedades. No entanto, entre dezenas de professores, alguns poucos deixavam emprego e segurança em segundo plano para se aventurar nos mares do conhecimento para cuja viagem nos convidavam e no universo da afetividade. Educavam para o presente, indagando o imprevisível futuro.

Foram eles os responsáveis mais diretos por minha decisão pela carreira do magistério. Foram, e continuam sendo, exemplos de vida profissional que persigo.

Da universidade saí munida de receitas e esperanças e iniciei minha atuação docente. Minha biografia até aquele momento, um plácido conto de Natal, ganhou os contornos de tragédia do cotidiano. As receitas só funcionaram enquanto a esperança resistiu.

(Ao fundo, continua a música das frases de efeito, não?)

O salário não resistia ao mês. Vendi na escola o que produziam minhas mãos nas madrugadas e finais de semana: blocos de papel decorados, almofadas de crochê, toalhas pintadas, sachês, artigos de Natal, sabonetes e velas. Mascateando, pude ter uma modesta cerimônia de casamento, comprar o enxoval dos filhos, pagar o aluguel de uma casa melhor. Livros? Ganhei de presente, comprei em sebo, recebi de editoras. Não abandonei o sonho de ser uma boa professora para não me tornar uma carimbadora de papéis.

Enfrentei o descaso de colegas (alguns até com maior experiência na carreira!) com o trabalho sério em sala de aula, ouvindo perguntas assim: ?Por que se dedicar tanto se não vai ganhar mais com isso?? Passei sobre o desânimo, a dúvida, as dificuldades. Com realismo, tentei alcançar a estatura de meus bons professores. Vi crescer a indisciplina e a violência entre alunos e na comunidade. Experimentei a humilhação infligida por pais e alunos. Revoltei-me (e assim continuo) com o discurso oco e eleitoreiro sobre a ?nobre missão do professor?.

É nobre, mas não é missão. É profissão!

Sinto-me por vezes uma espécie desatualizada de Dom Quixote lutando para vencer moinhos de ignorância e desprezo.

Hoje, vendo cosméticos, e não deixei de ler e estudar nas poucas horas vagas. Tento convencer alguns alunos mais porosos ao meu exemplo e às minhas palavras sobre a importância do conhecimento para uma visão crítica da realidade. Sofro ao ver meu trabalho e boas intenções desprezados por alunos sem disciplina, nem respeito.

As imagens de meus bons professores às vezes sorriem para mim, numa espécie de diálogo interior. Os olhos de alguns poucos alunos abrem-se e brilham quando aprendem algo novo. Poucos e raros pais me confessaram que seus filhos mudaram, para melhor, a confiança na educação em razão de meu trabalho.

Se eu desistiria de ser professora? Pensei sobre isso várias vezes ao longo dos anos. Mas, sempre que as dificuldades pesavam mais na balança, os pequenos resultados positivos me estimulavam a continuar. Por eles continuarei.

Por todas essas razões, o Dia do Professor para mim não tem sabor de festa. Tem marca de resistência. Agora sei: continuo porque resisto.